Psicanálise e Educação - Um breve comentário em video.

Friday, 17 May 19

Para pais, professores e educadores.

Psicanálise e Educação - Um breve comentário.

Wednesday, 8 May 19

Psicanálise e Educação
Um breve comentário.
FREUD E LACAN - PSICANÁLISE E EDUCAÇÃO

Para fazermos uma introdução inicial sobre Psicanálise e a Educação, necessitamos primeiro buscar entender ainda que em partes o que é cada uma delas.

Segundo o Dicionário de Português Educação é: a) Ação ou efeito de educar, de aperfeiçoar as capacidades intelectuais e morais de alguém. b) Processo em que uma habilidade se desenvolve através de seu exercício contínuo. c) Capacitação e/ou formação das novas gerações de acordo com os ideais culturais de cada povo. d) Didática; reunião dos métodos e teorias através das quais algo é ensinado ou aprendido; relacionado com pedagogia: teoria da educação.

Assim educação está ligado ao conceito de adquirir conhecimento sobres as diversas áreas da vida e como aplicar este conhecimento no cotidiano. A educação transpassa as matérias científicas, ela envolve conceitos abstratos, sociais, culturais, internos e externos. Podemos encontrar a educação dentro do lar, na escola, no ofício, no esporte e em todo lugar. A educação transforma realidades, abre novos horizontes, mostra caminhos e permite percorrê-los.

A Psicanálise é o estudo que procura compreender o funcionamento da mente humana, dividindo-a inicialmente em consciente e inconsciente. O consciente é formado por todas as informações disponíveis e acessíveis em nossa mente. As informações disponíveis para que possamos realizar as tarefas cotidianas estão colocadas em nosso consciente, por exemplo, quando queremos nos recordar de alguém, um cenário, um filme, um acontecimento, etc. buscamos esta informação na área consciente de nossa mente. Assim todas as informações o qual nos motiva e nos impulsiona de alguma forma estão inseridas em nosso inconsciente. O inconsciente é o gerador, o motivador de nossas vidas, através de sua influência somos levados a fazer o que fazemos. Porque gostamos mais disto do que daquilo ou porque tenho medo de altura são exemplos de influências do nosso inconsciente. A grande força deste inconsciente direciona nossa maneira de ser sem passar pela consciência.

A educação realiza-se através de todos os sentidos de nosso corpo e o aprendizado adquirido fica registrado em nossa mente. A psicanálise estuda os processos existentes em nossa mente e muitas vezes se manifestam através de nosso corpo. Diante destes apontamentos, temos convicção que Psicanálise e a Educação em várias ocasiões acabam se encontrando.

Nos cursos de pedagogia normalmente temos na grade curricular a psicanálise como ferramenta no processo de aprendizagem. Entre as muitas áreas que a educação busca auxílio para ser efetiva, a psicanálise vem como uma forma de desconstruir para construir. A psicanálise não se apresenta como uma solução ou como um caminho a ser precorrido, na realidade ela é uma forma diferente de olhar o processo, principalmente com a lente do subjetivo.

A subjetividade é uma marca da psicanálise, ou seja, ver aquilo que não está visível, entender aquilo que não foi anunciado e abrir caminho onde não há caminho. Quando o aluno diz algo sem dizer e o professor ter a capacidade de entender e interpretar esse algo.

O papel do pedagogo/educador é um papel diferente do psicanalista, não queremos psicanalistas nas escolas e sim professores, e que estes professores tenham na psicanálise uma perspectiva diferente no relacionamento com os alunos.

Freud em vários momentos deixou claro a importância da educação no processo de formação. Em certo momento ele relata que a educação tem um papel importante na formação, seja para bem ou para mal.

Mas hoje gostaria apenas de lançar iscas sobre a água, temos muito ainda para conversar. Fiquem com Deus e até a próxima.

Que não pode ser traçada qualquer linha nítida entre pessoas `neuróticas’ e `normais’ - quer crianças ou adultos -, que a nossa concepção de `doença’ é uma concepção puramente prática e uma questão de somação, que a disposição e as eventualidades da vida precisam combinar-se para que o limiar dessa somação seja ultrapassado e que, consequentemente, vários indivíduos estão passando constantemente da classe de pessoas saudáveis para a de pacientes neuróticos, enquanto um número bem menor também faz a viagem na direção oposta - tudo isso são coisas que têm sido ditas com tanta frequência e acatadas com tanta concordância, que certamente não estou só ao sustentar sua veracidade. É, para se falar o mínimo sobre isso, extremamente provável que a educação de uma criança possa exercer uma influência poderosa, para o bem ou para o mal, sobre a disposição que acabamos de mencionar como um dos fatores na ocorrência da `doença’; mas o que essa educação deve visar e em que ponto deve ser repelida parecem, no momento, ser questões muito duvidosas. (FREUD, 1909)


REFERÊNCIAS:

DICIO – Dicionário Online de Português. Disponível em https://www.dicio.com.br/educacao/ acessado em 07/05/2019

FREUD, S. (1909). Análise de uma fobia em um menino de cinco anos. In: FREUD, S. Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud. v. 10. Rio de Janeiro: Imago, 1990